Sexta-feira treze: como tudo começou

Por 13/09/2019
Sexta-feira treze: como tudo começou
COMPARTILHE Curiosidades no Whats

Em primeiro lugar, a origem de toda superstição em cima da sexta-feira treze começou por causa do dia em si. Mas não da data, e sim do dia da semana. Para os cristãos, Jesus foi crucificado em uma sexta, sendo assim, o dia já ganhou peso.

Em seguida, entram os detalhes que envolvem o treze. Considerado como uma dezena azarada, o número somado ao dia da semana, enfim, geraria uma dobradinha ‘do mal’.

Ainda falando da tradição cristã, havia treze pessoas ao redor da mesa da última ceia. Eram, em suma, os 12 apóstolos e o próprio Jesus. Portanto, só com esses dados iniciais, mostramos que a religião está envolvida no início das lendas. Ao menos de forma indireta, já que sabemos que grande parte da cultura de vários países tem algo vindo dos cristãos.

Mas há outras teorias, enfim, continue lendo.

Sexta-feira treze seria o dia da perseguição dos Templários

lendas sexta-feira 13

Medo e superstição
(Foto:
Edilson Borges/Unsplash)

Com o crescimento do poder da igreja na França, no século XIV, o rei Felipe IV sentiu que poderia perder influência. Em resumo, o monarca via a ascensão católica como uma ameaça. O avanço desenfreado do domínio cristão preocupou muito o líder.

Em uma jogada política, ele tentou se filiar a uma ordem poderosa e influente na época: A Ordem dos Templários. Mas as coisas saíram de uma forma diferente do que ele tinha imaginado, já que ele foi negado na organização.

O rei não ficou nem um pouco satisfeito com a notícia e resolveu usar o poder que tinha de forma cruel. Felipe IV teria, segundo relatos históricos, ordenado a perseguição aos Templários desde então. Este teria sido o início do fim da ordem.

A ordem teria sido dada em uma sexta-feira, 13 de outubro, de 1307. Ou seja, uma sexta-feira treze.

Mais uma teoria bem sombria

terror sexta-feira treze

Origens diferentes em culturas diferentes
(Foto: Daniel Jensen/Unsplash)

Outra ideia sobre a origem da fama sobre a sexta-feira treze, remonta do período medieval. Nesta época, povos bárbaros eram convertidos ao cristianismo aos montes. Entre eles, os escandinavos, conhecidos por adorarem vários deuses.

Entre os objetos de cultos, uma das mais importantes era Friga. Ela era a deusa da beleza e do amor para estes povos. Mas com o advento do cristianismo, ela foi demonizada para ser esquecida.

Ou seja, uma deusa amada por seu povo se tornou símbolo de maldade e feiura. Ela era considerada uma bruxa, que teria contato direto com demônios na nova versão cristã.

Leia também:

Conheça o lado bom da deep web

Gato gigante foi resgatado das ruas e recebeu mais de 3 mil pedidos de adoção

Os 10 melhores filmes da década segundo críticos e cineastas

Ou seja, uma das mais aclamadas personagens do imaginário escandinavo foi reduzida a vilã por uma nova cultura dominante. A tristeza da deusa a teria mudado profundamente, e a transformado no oposto do que sempre fora.

Vendo que seu povo tinha lhe virado as costas, ela teria se reunido com onze feiticeiras e com o próprio Diabo para se vingar. Às sextas-feiras, essa reunião demoníaca acontecia para trazer pragas aos humanos. Sendo assim, eram treze entidades, que agiam às sextas.

Outro ponto importante nesta versão, é que o nome “Friga” deu origem à “Friday”, que é sexta-feira em inglês.

Origem nórdica

superstições na sexta-feira treze

Você acredita?
(Foto:
Lukas Eggers/Unsplash)

Um dos personagens mais amados do universo Marvel nos cinemas, certamente, é o vilão Loki. Carismático e, sem dúvida, chegado em uma zueira, ele também tem participação no início da lenda da sexta-feira treze. Bem, ao menos na má fama do número.

Na versão nórdica, o deus Odin teria realizado um banquete e convidado doze grandes divindades. Como Loki não foi chamado e se sentiu afrontado, resolveu tocar o terror no evento.

O deus da confusão e da discórdia fez o que sabe melhor e, resumidamente, transformou a reunião em um caos. Como resultado, um dos deuses mais amados e belos acabou morto. Esse deus é Balder.

Sendo assim, mais uma vez, ficou marcado que treze pessoas em um banquete é uma ideia bem ruim. Esta história reforça a superstição do número, e não da data em si. Mas, convenhamos, é bem interessante, mesmo que contada apenas por cima.

Há quem diga que é o oposto

curiosidades de terror

Data inspirou várias obras
(Foto:
Peter Forster/Unsplash)

Ao longo da história, a sexta-feira treze ganhou seus estigmas, sem dúvida. Por outro lado, há quem considere o dia algo totalmente oposto ao que é mais comum. Na numerologia, por exemplo, o treze é um número de sorte por uma série de detalhes.

Em algumas culturas do mundo, o número é um forte sinal de que coisas boas estão por vir. Mexicanos e indianos acreditam nos bons eventos que o treze pode trazer. Felicidade e prosperidade nos dias vindouros, em suma, são pontos que a dezena representa.

Em diversas partes do mundo, os números são muito fortes nas crenças das pessoas. No Japão, por exemplo, o quatro é muito malvisto. Por ter uma escrita parecida com a da palavra “morte”, os japonese fogem do quatro.

A coisa é tão séria que alguns prédios, por exemplo, não têm o quarto andar. É isso mesmo. Você entra no elevador e não tem botão par ao quarto andar, ou seja, as pessoas pulam do terceiro para o quinto.

Não que eles simplesmente deixem um andar inteiro vazio e sem programação para parada do elevador. Na verdade, eles simplesmente ignoram o quatro, sendo assim, o quinto andar fica diretamente acima do terceiro.

O medo da sexta-feira treze já foi identificado na medicina

Pois é, há pessoas que tem um medo patológico da sexta-feira treze. O nome da condição é praticamente impronunciável, mas vamos colocar aqui para você tentar. O medo da data é conhecido na medicina como “parascavedecatriafobia”. Agora tente falar isso treze vezes sem errar.

Esta complicada palavra é formada pela junção de outra três palavras gregas. São elas: “paraskevi” (sexta-feira), “dekastreis” (treze) e, é claro, “phobia” (medo).

data assustadora

Você sabia disso tudo?
(Foto:
Ben White/Unsplash)

As pessoas que sofrem com a parascavedecatriafobia vivem um verdadeiro terror na data. E nem precisam ver filmes de terror e especiais do Jason na TV. Os acometidos são afetados fisicamente com a chegada do temido dia. Felizmente, há tratamentos para isso.

Todas as lendas ao redor deste dia acabaram criando verdadeiras fobias em algumas pessoas. Isto prova o poder que a comunicação tem na história humana.

Você sabia destas curiosidades envolvendo esta misteriosa data? Quais das origens você já conhecia e qual descobriu agora? Comente, compartilhe as curiosidades com seus amigos, afinal, conhecimento nunca é demais.

COMPARTILHE Curiosidades no Whats
Gravatar
Redator e Analista.
Está matéria tem 0 comentários. Seja o primeiro!

Fale o que Você Pensa

*
*